Resenha, Resenha de Álbum/DVD — November 11, 2013 at 7:19 pm

Skin Culture: porrada no Metal brasileiro!

by

skin_culturthe flame_still

Ao contrário do que muita gente pensa e acredita, eu vejo o Metal nacional se desenvolvendo a cada dia. Mesmo com todos os obstáculos apresentados, oriundos de um país de terceiro mundo onde não existe incentivo algum neste segmento, as bandas nacionais ainda lutam. Mesmo com os instrumento musicais de boa qualidade custando preços exorbitantes, as bandas nacionais ainda lutam. Mesmo sabendo que a mídia rentável só olha para a música como um produto vendável, artificial e efêmero, excluindo assim o que há de melhor na música enquanto arte, as bandas nacionais ainda lutam. E partindo deste raciocínio é que vem o meu respeito imenso por bandas como o SKIN CULTURE, cujos integrantes eu já vi tocar há quase 20 anos em suas bandas de garagem, brigando por algum espaço no cenário underground, sem desistir, e que agora estão lançando um álbum que é um marco de sucesso em suas vidas, e um presente para os fãs de Thrash Metal contemporâneo.

“The Flame Still Burns Strong” é o quarto álbum da banda e de longe é o mais bem produzido, mostrando claramente que estão caminhando agora em um novo patamar, com mais recursos para conquistar um bom áudio em estúdio, e o mais importante, a maturidade, que ninguém mais pode fornecer senão o tempo. O álbum conta com as participações especiais de Fabricio Ravelli (IMBYRA ex Hyrax), Marcello Pompeu (KORZUS), Luciano Vassani (TAMUYA THRASH TRIBE), Desi Hyson (ORIGINAL WAILERS ex banda do Bob Marley) e Emi Rojas (DESIERTO GRIS da Argentina).

Durante as 13 faixas o SKIN CULTURE não esconde suas influências de MACHINE HEAD, FEAR FACTORY, SOULFLY, além da insinuação à lá MESHUGGAH, denunciada pelo  peso absurdo adquirido com as guitarras de oito cortas. A música “Set Me Free” dá a largada no álbum cuspindo labaredas de injúria e afronta, rematada pelos urros do vocalista Shucky Miranda, sem contar os diversos ritmos enriquecidos por um pedal duplo preciso, executado pelo baterista Marcos Dotta. A empolgante “Rapture” vem na sequência como um dos maiores destaques do CD, esbanjando Blast Beats e Breakdowns ouvido adentro. Entre as minhas favoritas estão também “Dementia” que traz grandes riffs e “Here I Preach” com uma inclinação melódica agregada de forma saudável à composição. Apesar das citações, eu diria que “The Flame Still Burns Strong” se nivela por cima de uma forma geral, ou seja, se você gostou de uma vai gostar de todas.

Com este lançamento eu arrisco dizer que o SKIN CULTURE – que já esteve envolvido com bandas grandes e internacionais – deve abrir ainda mais portas rumo a um futuro promissor. Que venham os shows!

“The Flame Still Burns Strong” foi gravado no “Noise Croocked House Studio” e produzido por Raul Dipeas e Shucky Miranda. A masterização foi feita por ninguém menos que Brendan Duffey no Norcal Estúdio.

Tracklist:
01. Set Me Free
02. Rapture
03. For the Same Hell as Before
04. Dementia
05. Ashes and Flames
06. Here I Preach
07. The End of My Days
08. One Tribe, One Soul, One God
09. Blind Soul
10. Thirts for Hunting
11. Synthesized Lies
12. Heart Song
13. Slave New World (bônus da versão americana)

Contato:
http://www.skinculturetribal.com
https://www.facebook.com/SkinCulture.Band
https://twitter.com/SKIN_CULTURE

Apóie a NOSSA CAUSA curtindo o Megalomania no FACEBOOK!

the_flame_still_burns_strong