Resenha — December 13, 2013 at 9:32 am

O Legado de Chuck Schuldiner

by

CHUCK_DEATH

Na história do Metal existe uma extensa lista de músicos virtuosos e a cada ano essa lista aumenta e os músicos se tornam cada vez mais virtuosos. É uma característica básica do gênero, e nós que somos fãs, já nem nos impressionamos tanto com um solo de guitarra cheio de técnica e habilidade, ou um bumbo duplo com tempos que desafiam qualquer estudante de Pozzoli, pois estamos acostumados com toda essa virtuosidade. No entanto, é fato que a ordinariedade tem que existir para que o extraordinário se manifeste. E Chuck Schuldiner é o exemplo perfeito para falarmos do que é ser extraordinário.

Charles Michael “Chuck” Schuldiner teve uma iniciação musical bastante triste, pois começou a tocar violão clássico ainda na infância para ajudar a superar a agústia pela morte do irmão mais velho. Desde cedo Chuck se identificou com o movimento NWOBHM e chegou no meio musical como um petardo, exercendo poder sobre uma enorme quantidade de músicos, ato este que ajudou a definir um estilo até então em desenvolvimento, que é o Death Metal.

Liderando a banda Death, Chuck foi se tornando um compositor extremamente minucioso, e em dado momento seu perfeccionismo foi ao extremo de fazer com que só trabalhasse com músicos contratados, pois apenas assim poderia orquestrar os arranjos conforme sua mente complexa exigia. A cada álbum o Death foi se tornando uma banda mais técnica, principalmente para os padrões do final dos anos 80 e início dos 90. Essa reforma perturbou a mente de muitos compositores da época, efeito esse considerado natural em qualquer mente criativa, a necessidade da superação. Se no início da carreira o Death mostrou ao mundo como tocar Death Metal, posteriormente ele ativou as potências da alma de diversos compositores que passaram a desejar tocar em uma banda tão boa quanto a de Chuck Schuldiner. As consequências dessa influência foram diversos estilos novos, como Metal Progressivo (que é bem diferente do antigo Rock Progressivo), Math Metal, Technical Metal, etc.

Em seu último álbum de estúdio, o The Sound Of Perseverance (1998), Chuck atingiu o zênite de sua carreira, conduzindo sua música para um nível acima de tudo o que era conhecido e executado. O Death se tornou uma banda para poucos.

No ano seguinte Chuck encontrou um oponente forte demais até mesmo para ele que estava acostumado a ser grande naquilo que fazia. Um tumor no cérebro o levou à morte em dois anos, e levou também a esperaça de uma legião de admiradores que tinham e têm até hoje a certeza absoluta de que, se estivesse vivo, Chuck ainda estaria nos impressioando com seus rifes singulares, e mostrando ao mundo como se faz Metal incendiário.

Hoje faz 12 anos desde a data fatídica. A perda é inestimável. O tamanho de sua genialidade é proporcional ao tamanho de sua influência em tão curto espaço de tempo. Mas seu legado permanece, e cada vez mais forte!