Notícias — April 11, 2016 at 11:23 am

Adaptação de ‘Death Note’ deve ir para a Netflix

by

O diretor Adam Wingard está sendo requisitado para realizar a adaptação live action do mangá/anime  Death Note.

Death Note vinha sendo desenvolvido pela Warner Bros. desde que o estúdio adquiriu os direitos em 2009. Shane Black (O Homem De Ferro 3) chegou a ser anexado para escrever e dirigir, mas acabou abandonando o barco. Logo surgiram rumores de que Gus Van Sant seria seu substituto, porém nada foi confirmado e a adaptação acabou indo parar nas mãos de Wingarde do roteirista Jeremy Slater (Renascida do Inferno).

Wingard já estava selecionando o seu elenco que incluia Nat Wolff e Margaret Qualley, quando a Warner desistiu do projeto, permitindo que fosse adquirido por outro estúdio. O STX e a Lionsgate manifestaram interesse, mas parece que Death Note vai acabar mesmo na Netflix.

Com a aquisição pela Netflix o projeto pode seguir em frente normalmente, com a produção tendo início em Junho deste ano ainda com Nat Wolff e Margaret Qualley atrelados ao projeto.

A adaptação vai contar a história de um estudante (Wolff) que descobre um caderno sobrenatural que lhe permite matar qualquer um, basta escrever o nome da vítima. Um jogo de gato-e-rato se segue quando ele é rastreado por um policial recluso.

Sinopse Original:

“A história centra-se em Light Yagami, um estudante do ensino médio que descobre um caderno sobrenatural chamado “Death Note”, no qual pode matar pessoas se os nomes forem escritos nele enquanto o portador visualizar mentalmente o rosto de alguém que quer assassinar. A partir daí Light tenta eliminar todos os criminosos e criar um mundo onde não exista o mal. Mas as autoridades enviam o lendário detetive L para rastrear o assassino. Agora com L no seu encalço, irá Light perder o seu objetivo nobre de vista… ou sua vida?”

Death Note está sendo produzido por Roy Lee, Dan Lin, Jason Hoffs e Masi Oka. Doug Davison e Brian Witten servem como produtores executivos.

death-note_1604071238-790x494

 

Matéria publicada originalmente em Terrorama.